sábado, novembro 18, 2006

O Poeta tranquilo

O Poeta tranquilo falava do domínio da técnica,

De versos alexandrinos, controle da métrica,

Do poema construção académica...

E eu pensei: Disso nada sei.

O poeta tranquilo falava de influências e conceitos.

De versos encandeados, esquematicamente construídos,

Perfeitos!

E eu pensei: Disso nada sei.

Nada sei de teorias literárias,

Não uso silogismos nem metáforas,

E perfeita sou no desconhecimento e imperfeição.

Senti-me pequena ante o Poeta grande e tranquilo

Eu

Que do poema só sei o corpo

Eu

Que do poema só sei a emoção.

(inédito)

Encandescente
in "Palavras Mutantes" pags 63/64

7 Comments:

Blogger wind said...

Belísima escolha Fatyly!
Diz a Encandescente que do poema só sabe emoção, mas tudo o que escreve, a sua versatilidade "bate" todos os poetas com construções académicas, metáforas, rimas...:)
Ela é um génio criativo:)
beijos

18/11/06 23:59  
Blogger Ines said...

:-)

Muito bonito!

Eu que do poema só sei a melodia!

19/11/06 01:04  
Blogger wind said...

Parabéns fatyly, conseguiste:)
Sabes do que estou a falar:))))beijos

19/11/06 02:23  
Blogger Rosa Brava said...

"...Eu
Que do poema só sei o corpo
Eu
Que do poema só sei a emoção."

... e não é esta a verdadeira Poesia?

Gostei. Boa escolha.

Um abraço e bom domingo ;)

19/11/06 12:50  
Blogger António said...

É assim que eu gosto!
Poesia límpida.
Beijinhos

Ah...obrigado pela visita e comentários.

19/11/06 15:04  
Blogger António said...

E cá venho eu hoje outra vez, Fatyly.
Mas desta vez é só para agradecer a visita e o comentário.

Beijinhos

19/11/06 18:10  
Blogger mfc said...

E é tão bom apenas falarmos do que sabemos!
Há pessoas que não se conseguem conter dentro dessas baias!

19/11/06 22:44  

Enviar um comentário

<< Home